quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A Automação das Emoções

O mundo nunca foi tão sozinho.
Você não precisa de uma estatística pra ver isso; basta olhar ao redor, fazer as contas, contar nos dedos. Quantos amigos você tem? Quão carente você é? A vida é dura? Pense nas pessoas pelas quais você botaria a mão no fogo e pense se existem as que fariam o mesmo por você. Família não vale. Estou falando do que supostamente devia ser a família que você escolhe. As coisas não vão bem. Desiludido e sozinho Victor Hugo escreveu: "olhe um amigo e verás meio traidor", tentar negar essa frase é cada dia mais difícil. Em quem você confia? Quantos amigos de infância você tem? É amigo mesmo, certeza? Quantas brigas já teve? Quantas vezes foi traído? Está desiludido?
O mundo nunca foi tão tecnológico.
Globalização; as pessoas nunca estiveram tão unidas e ao mesmo tempo tão distantes. Muitas se tornaram escravas disto na luta constante contra a solidão. Filipinos cujos melhores amigos são coreanos em algum RPG asiático. E todos conversam em inglês entre si.
As pessoas andam, se esbarram, se cruzam, se olham e todas parecem monstruosamente isoladas em seus mundos. Quando você cumprimenta o caixa da padaria ou o gari da praça, a expressão de surpresa deles é uma coisa até desanimadora. E é assim como todo mundo. É como se por uma fração de segundo você tirasse aquelas pessoas da solidão.
Alguém aí já viu 'The Wall'? 'Is there anybody out there?'. Cada indivíduo hoje, de fato, está preso e cercado dentro de sua parede intrasponível, frios. Aqueles que derrubam as suas e tentam transpassar tais paredes alheias é condenado à solidão de nunca encontrar o calor buscado nessas outras pessoas, pois por mais próximo que se chegue você nunca pode tocá-las.
Todos tem uma terrível sensação de nostalgia de não se sabe o quê. De quando as coisas pareciam melhores, você se sentia mais vivo, mais próximo das pessoas ao seu redor. Quem nunca experimentou estar sozinho em uma sala cheia de pessoas?
Quem nunca se sentiu sozinho rodeado de 'amigos' que não poderiam ser mais desconhecidos?
Sou um cara dividido. Às vezes me sinto verdadeiramente sensível enquanto tenho que lutar para que a frieza ao meu redor não me gele também. Pode ser difícil tentar não ser frio. Não ter raiva. E o pior é que tudo está ruim como está, primeiramente, pela falta de afeto e fraternidade de todos para com todos e isso inclui eu e você. E isso me deixa indignado. E sofro, pois "o homem indignado sofre em dobro, pois é dilacerado pela culpa coletiva que sente ao não poder mudar aquilo que o incomoda sendo isso a igreja, as pessoas ou a sociedade e etc", isso foi dito no século XIX e faz sentido hoje mais do que nunca.
O aquecimento global, ironicamente é proporcional à frieza das pessoas. Quanto mais repugnante e decadente a sociedade fica, mais quente fica o mundo. Se bem que se fosse baseado no coração das pessoas, talvez fosse um cubo de gelo.
Desilusão. Desbunde.
Esse é o sentimento geral daqueles que um dia pensaram que o mundo tinha jeito. O mundo hoje é carente de ideologias e super-homens para levarem a população adiante, pois no mundo egoísta, ninguém vai sair de sua bolha para ter um mundo melhor a não ser que alguém mostre o caminho; tanto o é que muita gente de bem que quer de coração mudar as coisas às vezes faz pouco ou nada por não saber o que ou como fazer.
Boas idéias não são divulgadas.
Soluções inteligentes e práticas não são noticiadas por não serem tão bombásticas quanto bombas caindo no Alemão, no Iraque ou na Ossétia.
Muita gente temia que o mundo pudesse virar um '1984', mas eu lhes digo: o mundo de George Orwell é refresco. O mundo pode não virar uma ditadura política, mas uma ditadura do pensar, do ser e do agir. O cada um por si num mundo cão fica cada vez pior, as pessoas odeiam o governo e ninguém faz nada efetivo para mudá-lo. Aqueles que realmente estão resolvendo alguma coisa estão solucionando seus problemas sozinhos ou em coletivo como podem, à parte do Estado, inútil e aleijado que se requisitado distorceria totalmente a idéia proposta.
Quer uma experiência prática da frieza humana? Sente-se na praça de alimentação de um shopping e, então, observe. Uma experiência e tanto. Você vai ver muita gente, vários tipos, alguns aparentemente interessantes, outros têm a indiferença e a massificação escritas na testa.
Isso é outra coisa que irrita. A alienação da maioria da sociedade dominante faz com que aqueles da parte dela que querem mudar - leia-se: aqueles que sentem culpa coletiva pelas mazelas sociais - acabam muitas vezes paralisados e isolados em seus anseios.
Sonhos.
O mundo de hoje é feito de sonhos individuais e inatingíveis. Os trinta anos ganharam o fofo apelido de 'idade da frustração', quando você percebe que o sonho acabou, você não é nem será o que quis e a desilusão de pega de surpresa com um soco no estômago no meio da noite. Mas desnecessário dizer que você não precisa ter trinta anos para ficar desiludido com o mundo ou para tentar fazer alguma coisa. Geralmente aí ela só vem quando percebe-se que as tentativas foram infrutíferas.
Nunca foi tão difícil se fazer amigos.
e os supostos 'bons e velhos' somem, se afastam e se perdem como se não fossem importantes. Aquele velho amigo de infância com o qual você falava que até seus filhos seriam amigos e você se pega pensando por onde ele anda, se ele lembra de você, como será que vai a sua vida. Eu quero amizades verdadeiras e duradouras. Amizades de Sessão da Tarde; verdadeiras irmandades. Conheço muitas pessoas e posso contar talvez em uma mão só aquelas que, talvez, sejam verdadeiramente amigas e que mesmo assim parecem distantes e intocáveis atrás de suas paredes. Eu quero tocá-las e quero ser tocado também.
Amizades que se perdem por brigas e traições e outras que supostamente se mantêm, , essas eu conheço bem!"Amizade é como café, uma vez frio nunca volta o sabor original, mesmo aquecido." e eu que o diga! Todos sabem muito bem como é perder uma amizade e ficar naquela vontade de que tudo fosse diferente, mas não se pode atravessar as paredes pessoais para se dar um abraço.
"Odeio pessoas efusivas", comunidade bombante do orkut. Gente que odeia outras pessoas que pegam na não, abraçam, te cumprimentam em qualquer lugar mesmo que só te conheçam de vista, que sempre são educados e às vezes até dados á liberdade de serem pessoais. Pra mim, quem está nesse tipo de comunidade é chato e arrogante e invariavelmente deve se sentir sozinho sim e pensar 'ah, eu queria conhecer pessoas legais', mas digo-lhe que isso não é possível se você detesta um sorriso amigo gratuito. Tenho mais a dizer a essas pessoas: desde quando um bom-dia, um oi, um obrigado precisa de ter motivações profundas? Amai ao próximo como a ti mesmo, cretinos! Ou serão condenados à eterna solidão, podem se achar cheios de amigos hoje, mas na verdade estão cercados de pessoas superficiais, quero ver quantos estarão contigo aos quarenta, bonitões e gostosonas do pedaço.
Pessoas como eu são devoradores de sonhos, vivem deles, pois infelizmente a frieza é tanta que creio que para mim "as ilusões sustentam a alma como as asas sustentam o pássaro" como disse Hugo, mas imagine então caso tais ilusões de fraternidade e amor fossem realidade?
Outra coisa que se ouve muito por aí: "Eu te amo não é bom-dia", por que não? Pra mim deveria ser sim! Se houvesse um pingo de amor recíproco entre as pessoas as coisas seriam bem melhores, quem pensas que é para medir o amor alheio? Gente que diz 'eu te amo', mesmo que falsamente, são desejosos de amor, querem tê-lo ou sentí-lo, pois "a medida do amor, é amar sem medida", mais uma vez de Victor Hugo que não só disse tudo como foi além:"O espírito enriquece-se com o que recebe; o coração com o que dá.", o que o coração pode dar de melhor é amor desmedido e real.
As pessoas sofrem e se fecham por terem se machucado por amor. O melhor remédio para as feridas do amor é mais amor, frieza e reclusão só pioram todo o mundo ao seu redor, não tenham medo de amar, amiguinhos. " A vida é um campo de urtigas, cuja única rosa é o Amor" (vocês podem adivinhar sozinhos o autor dessa frase). Clamo: abram seus corações!
Eu quero sentir.
Ser amado é a melhor coisa do mundo, assim como amar, e não só entre casais, digo em relação à amizade, à cidadania, à tudo enfim. Eu sou um mero romântico, um "quente e letrista" no meio de um mundo frio e calculista onde amar é para os fracos. Mas eu não vou desistir tão facilmente.
"Vós, que sofreis, porque amais, amai ainda mais. Morrer de amor é viver dele." - Victor Hugo

3 comentários:

luciana cardoso disse...

bonito,incrível,sutil.
você é mesmo meu namorado?
ponto.
espera.
vou ler de novo....

luciana cardoso disse...

ler,ler e reler...
não adianta!não há o que contestar.
aliás há!
serve o meu eu te amo?

-laurex disse...

O texto mais bonito, mais profundo, mais verdadeiro, mais inteligente que eu já li aqui. É engraçado como a gente é mais interessante na realidade dos nossos pensamentos, do que nas nossas histórias, nos nossos contos. Não tenho o que dizer. Queria ter escrito alguma coisa assim. Fabuloso. Concordo com tudo em gênero, número e grau.
Vou pensar em algum texto, mesmo que pequeninho pra comentar isso aqui.