sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Porque Crepúsculo me irrita



Alô você!
            
Eu sei que eu dei uma sumida, mas foi por um bom motivo. Neste último fim de semana estive em Brasília cobrindo um evento chamado Epic Con, sobre quadrinhos pra fazer um programa de rádio pra um trabalho da faculdade e conheci uma caralhada de gente legal e entrevistei um bocado delas. Só que eu ainda não arrumei tudo bonitinho do tal programa nem consegui passar as entrevistas do gravador pro PC. Pois é, vida tirana. MAS, quando eu tiver feito minhas obrigações e tiver tudo bonitinho, na minha próxima postagem vocês, meus queridos leitores invisíveis poderão conferir a cobertura e também entrevistas legais com PC Siqueira, Érica Awano, André Vianco, José Mojica Marins e Mike Deodato. Curtiram? Então aguardem meu próximo texto.
            Então vamos ao assunto de hoje. Primeiramente, paquitas de Crepúsculo que passam aparecer por aqui: fiquem tranqüilas. Eu não vou trollar a parada. Claro, farei umas piadas porque eu gosto de usar humor ácido nos meus textos, mas não vou xingar a coisa toda com argumentos infundados. Se vocês discordarem de forma válida, podem responder nos comentários, mas trolls serão ignorados, que isso fique claro. Enfim, vamos a isso.
          Pra falar com propriedade, eu li todos os livros da série. Eu lembro direitinho de ver a molecada da minha sala no ano passado entrando em frenesi porque tinham lido o melhor livro da vida deles. “De que que é?” eu perguntava, “É de vampiro, mas é diferente” era a resposta, eu gostava da primeira parte dela. Eu sempre fui fã de fantasia. Eu AMO Drácula de Bram Stoker. A parada escrita em forma de diário e o senhor Vlad eviscerando recém-nascidos é uma coisa muito assustadora. E por ser fã do gênero, eu sempre saquei muito de criaturas fantásticas e pá.
            Fui ler a bagaça. Beleza. Eu não gostei. Vamos explicar a razão, em partes. Primeiramente, quanto à autora, Stephenie Meyer. Ao contrário do que muitos trolls dizem por aí, Meyer não é uma escritora ruim. Nem de longe. Ela retrata uma mente adolescente incrivelmente bem, e mais que isso, ela reúne personalidades diferentes dentro da Bella, isso torna a personagem um pouco genérica, mas amplia o seu leque de identidade para com as leitoras e leitores, pois mesmo sendo um cara, você vai identificar Bella sendo parecida com garotas que você conhece, mais de uma.
            O Felipe Neto fez um video sobre o livro e disse que a Bella reúne todas as inseguranças femininas. Isso é verdade. Mas mais uma vez temos o fator identidade além do fato de que a adolescência é a fase das inseguranças. Então tá, então o que tem de errado na escrita dela? Ela é inexperiente. Meyer está sendo muito ovacionada, mas sua escrita é falha nos roteiros, na linearidade, na coerência, mas principalmente nos personagens. Ela cria alguns personagens muito bons, mas não sabe o que fazer com eles. A personagem Leah, por exemplo, uma lobisomem rejeitada pelo amor de sua vida, é uma PUTA personagem, ela podia ter feito coisas realmente fodas pra ela, mas o que acontece é que ela e muitos outros personagens passam a maior parte do tempo andando de lá pra cá só pra constar. Outros exemplos têm aos montes, como os vampiros romenos, antigos senhores do mundo. No quarto livro eles só ficam fazendo cara de mal e dando sorrisinhos maliciosos na sala de estar dos Cullen.
            Aproveitando que mencionei personagens, pulo para eles. Crepúsculo tem protagonistas fracos. A Bella passa a maior parte do tempo sendo chata, irritante e sem-sal. Eu até me sentiria atraído por uma menina assim, mas se ela ficasse xaropando da mesma forma, eu mandava ir à merda. Tipo, ela odeia futilidade e adora Literatura clássica. Ponto positivo. Aí alguém dá em cima dela e ela fica toda cheia de mimimi. Ponto vá pra puta que te pariu.
            Já a contraparte masculina, o senhor Edward Cullen, não convence. Além de pedófilo – ele tem 118 anos e ela tem 17, isso foi uma piada – ele consegue ser tão sem-sal quanto ela. Muita gente criticou a atuação do Robert Pattinson, mas não é culpa dele, o personagem é duro. O papel do Edward a maior parte do tempo é olhar de forma heróica para o horizonte e tentar dizer coisas românticas/profundas que acabam tão rasas quanto as frases do Chorão do Charlie Brown Jr. O personagem tende ao risível. Mais uma vez, Stephenie criou um bom personagem: ele é um vampiro justo, bonzinho, romântico, sério e bonito, como a maior parte dos vampiros bonzinhos da Literatura são, mas ela não sabe usá-lo, então ele só funciona no automático, fazendo as coisas pré-estabelecidas nessa definição: ele fica sendo bonito, sério e romântico. O tempo todo. Até um T-800 é mais versátil do que ele.
            O que explica porque muita gente prefere o Jacob, o sujeito é um índio fanfarrão que vira um lobo, anda de motoca chopper, fode com a vida de vampirinhos e conserta carros – profissão de macho. Ora, o Jacó Preto está para Crepúsculo como Ikki está para Cavaleiros do Zodíaco.
            Então agora vamos falar de mitologia. Muita gente criou suas próprias versões de vampiros. Em Supernatural, você tem que cortar suas cabeças. Em Priest, eles são quase lickers de Resident Evil. Em 30 Dias de Noite eles são basicamente zumbis. Em Blade, você só pode matá-los de formas “científicas” e o vampirismo é um vírus. Beleza. Por que as pessoas implicam com o Edward brilhar no sol? O motivo idiota, é porque isso é gay, mas o motivo real é porque isso desvirtua completamente a definição de vampiro.
            Em todas essas obras, partes são mudadas e omitidas, mas a base é a mesma. Vampiros são assim e pronto. A versão de Meyer tirou partes fundamentais dela. Quanto ao sol, vale lembrar que o Drácula andava no sol, ele só ficava enfraquecido e isso também vale pra versão de Supernatural. Em todas as outras, incluindo a de Anne Rice – se você não sabe, a escritora que inspirou Meyer, autora de O Vampiro Lestat – e nas obras dela eles também queimam no sol. Então seria melhor que ela tivesse optado por um ou por outro, porque não é que a ideia de brilhar seja gay, ela é idiota. Os seres sobrenaturais mais apelões do mundo brilham no sol? Péssima ideia.
            Outro ponto é que os vampiros são como seres humanos com todos os seus defeitos aumentados dez vezes. Vampiros são animais movidos à sexo e à violência. Aqui, Edward e companhia dizem que vampiros são verdadeiros monstros, mas ele e toda a sua família se comportam como um punhado de mórmons. Chupar sangue de animais é uma coisa, agora negar COMPLETAMENTE todos os traços da sua natureza é forçar amizade.
            Tá, como me justificar por isso? Em todas as outras histórias de vampiro. TODAS. Incluindo todas as de vampiros bonzinhos, como Vampire Hunter D, Entrevista com o Vampiro, Blade, Angel, Hellsing e True Blood, em TODAS, os vampiros não fogem à sua natureza. Inclusive em Vampire Hunter D e em True Blood temos histórias de amor entre humanos e vampiros sensacionais e nem mesmo por isso eles param de trepar como bichos no cio nem param de eviscerar vilões de formas sádicas e grotescas. Por quê? Porque vampiros se comportam assim.
            Com os lobos, ela foi mais respeitosa. Só faltou duas coisas. Uma, lobisomens são muito violentos e raivosos, eles não deveriam ter um auto-controle tão grande quanto o demonstrado. Dois, eles são monstros viris e peludos, o que significa que eles deviam ser peludos e que também deviam trepar loucamente. Ao invés disso eles têm um puta apetite. O que é fato, mas como você acha que eles queimam aquelas calorias?
            Mas é agora que você, paquita de Crepúsculo vai querer me matar. Eu vou falar do enredo. A Stephenie Meyer se perde legal nas paradas, enche lingüiça pra caralho e faz histórias patéticas e no máximo meia-boca. O enredo principal de tudo, que é o amor entre a Bella e o Edward é uma paixonite adolescente elevada à enésima potência. Ele é um stalker meio maluco e ela é aquela menina que depois que se apaixona e começa a namorar esquece que o mundo existe e perde todos os seus amigos. Sem contar que na real a história é sobre como a Bella passa três livros QUERENDO DAR desesperadamente e o vampirinho não a come, por princípios religiosos e morais. Mais uma vez, ele é um vampiro, ele devia pular em cima dela e foder cada orifício do corpo dela como se não existisse amanhã antes mesmo que ela pudesse reagir.
            Ela fica com tanta vontade de dar que até cogita fornecer pro Jacob, orgulho heterossexual da parada e o pior, o vampirinho meio que deixa no quarto livro, só pra que o filhote deles não a mate. O que também é foda de engolir. Aliás, tudo na porra do quarto livro é foda de engolir, ele é muito ruim. Nele, a Stephenie queria concluir a história de forma épica e perdeu a mão legal. Ficou forçado e ridículo sem contar que 90% do livro é pura enrolação entre o começo e a batalha final, porque ela simplesmente não tinha história pra por no recheio.
            Outra treta é o fato dos vampiros aqui serem muito overpower. Digo, vampiros são naturalmente overpower, por isso que eles têm fraquezas. Aqui não. Aqui você precisa da Tropa dos Lanternas Verdes pra picar e botar fogo nos bichos, o que explica a ausência de outra peça chave em histórias de vampiro: caçadores-de-vampiro são impossíveis de existir com esse contexto. O que leva à outra falha, se vampiros são tão poderosos e fodelões, por que picas eles não criam um exército e subjugam a humanidade para criá-la feito gado? Todo o contexto de “nós temos que nos manter escondidos” é completamente furado aqui. Ah, e essa forma de matar vampiros também foi tirada de outras obras, como Drácula.
            Eu não vou falar sobre as adaptações pro cinema, porque elas não ficaram boas. Mas vou falar dos atores. Eles não podem ser criticados. Como eu disse, o Edward é uma tábua, por isso até o trailer de Lembranças, outro filme do Robert Pattinson, com um personagem e roteiro melhor, apresenta uma atuação infinitamente superior aos três filmes inteiros já lançados. Agora Kristen Stewart. A Bella é um saco. E a Kristen é massa. Ela já fez outros filmes legais, como Na Natureza Selvagem e abafou quando tinha só 12 anos em Quarto do Pânico. Se você quer vê-la atuando de verdade, espere só pra ver The Runaways, em que ela faz a Joan Jett, mais uma vez só o trailer do filme consegue ser melhor que a Bella em todos os três.
            E eu acho que é isso galera. Por favor, vão ver histórias de vampiros de verdade! Existem várias delas com amor e romance e que são muito melhores que Crepúsculo, então você garotinha, não têm desculpa! Leiam André Vianco, ele é brasileiro e faz altos livros fodas sobre vampiros. Eu ainda vou ler algum livro dele, mas pelo sucesso que ele tem feito e pelo tanto que ele é gente boa, tenho certeza que as histórias dele são melhores que Crepúsculo.
            Aliás, até Holy Avenger é melhor que Crepúsculo. Tchau Tchau.

2 comentários:

Nathan Oliveira disse...

Adorei adorei adorei. UEHEUHEU ahazol XD

Renato Veríssimo disse...

na boa, a melhor imagem que eu tenho de crepúsculo foi ir ao cinema com o guilherme e o sid e rir pacas do sid trolando os personagens da parada. foi épico