sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Neon Genesis Evangelion


Olá, meus mechas! Como vão vocês?
            Durante as duas últimas semanas lembrei-me de um anime que virou mangá e que foi sensação quando eu tinha uns 8 anos de idade. Sensação para os djovens, porque eu e meus amigos não ligamos à mínima e ficamos jogando Pokémon, que bombava MUITO na mesma época.
            Mesmo com o passar dos anos, eu sabia razoavelmente pouco sobre essa animação. Eu sabia que era uma das mais premiadas e elogiadas do Japão. Que ela era Cult, para adultos e que tem uma legião de fãs fanáticos. Daí eu me lembrei dela há um tempo atrás e mesmo só sabendo que ela tinha robôs gigantes, fanservice e pedância, eu resolvi assistir pra ver de qual que é.
            Acabou que é excelente, mas obviamente existem alguns defeitos. Continue lendo para saber os detalhes!
            Neon Genesis Evangelion, mas conhecida como Evangelion é uma série de animação japonesa com 26 episódios criada por Hideaki Anno em 1995, mas que só viu terras ocidentais lá pra 1997. O pontapé inicial do enredo é muito simples: você acompanha Shinji Ikari, um rapaz de 14 anos tímido, covarde, inepto socialmente e com problemas paternais que é designado para pilotar a unidade EVA Zero-Um, nada mais nada menos que um robô gigante de última tecnologia que, juntamente com outros modelos semelhantes, é a única esperança da humanidade de derrotar os Anjos, monstros enormes e misteriosos, e salvar o mundo.
            Ou seja, de início, é uma jornada do herói clássica, com um herói fraco e assustado que tem que aceitar uma responsabilidade, superar seus medos e dificuldades e etc etc etc. Não só isso como o próprio gênero mecha(robôs gigantes pilotados por humanos), tão popular quando feijoada no Japão, tem público garantido e outras séries de sucesso como Gundam Wing e Patlabor. Ou seja, aparentemente, só mais um. Clichê. O que torna essa série tão especial?
            Acontece que logo no primeiro episódio você já percebe que ela vai ser tudo, MENOS uma série convencional de mechas. Uma palavra que define perfeitamente Evangelion é depressão. O tom do seriado é pessimista, o mundo vive um futuro fodido e apocalíptico, tal qual em Akira ou 1984, com ditaduras e supercorporações que mandam no mundo. Além disso, o Fim do Mundo está próximo e isso fica cada vez mais forte conforme os episódios vão passando. Tensão pura.
            O seriado também está carregadíssimo de simbologia e mitologia cristã, assuntos da psicanálise, abordagens experimentais de roteiro, montagem e enquadramento entre muitos outros fatores. Se o cinema experimental europeu tivesse algum filme com robôs gigantes, esse filme seria Evangelion.




Mas o principal foco e também a melhor parte do seriado são seus personagens. Eles são absolutamente fantásticos. Aparentemente normais, conforme os episódios vão passando você passa a conhecer cada um junto com seus respectivos esqueletos no armário e meu amigo! Quantos esqueletos!
            De longe os personagens mais interessantes são as três crianças que operam os EVAs, pois só elas tem as conexões psíquicas certas para que o mecha não rejeite o piloto. São elas Rei Ayanami, piloto do EVA 00, que sofre de uma depressão e uma solidão profunda, sempre se isolando de tudo e de todos, sem entender o propósito de sua existência. Tem o Shinji, que tem sérios problemas consigo e com o pai e que se fecha e se pune cada vez mais. E por fim temos Asuka, que é arrogante e sempre tenta ser melhor do que os outros, mas chora enquanto dorme todas as noites. Obviamente, os motivos que causaram esses traumas e a sua superação – ou não – podem ser conferidos durante o desenvolvimento da série e a evolução dos personagens.
            Mas os problemas não se resumem a eles. Todos os outros personagens de maior relevância na trama são profundamente perturbados, com problemas sérios, principalmente por acontecimentos no passado que são liberados através de fragmentos desordenados que o espectador monta mentalmente.
            Misato, por exemplo, que cuida do Shinji, sempre se comporta de forma escandalosa para esconder cicatrizes de relacionamentos. A cientista Ritsuko Akagi é anormalmente fria e calculista por um motivo desconhecido e assim vai. Até o fim dos episódios, várias conspirações, reviravoltas e traições vão ocorrer, muitas vezes surpreendendo o espectador, mas principalmente explodindo a sua mente em um milhão de pedacinhos.
            Não vou mentir, é uma série difícil de se assistir, não é pra qualquer um. Desde o primeiro episódio, a pegada densa e experimental do enredo fica clara, e em alguns momentos as viagens e a pedância se tornam verdadeiros incômodos. Mas felizmente, isso não se mantêm o tempo todo. Principalmente os episódios do miolo da série são mais soltos e até engraçados. Já os do começo e do final são mais Cult e pedantes.
            A qualidade da animação não é ruim, mas também não é excelente. Cowboy Bebop, que foi feito um ano depois, por exemplo, é muito mais bem feito. Porém, a qualidade de Evangelion supera todos os desenhos da nossa infância, como Os Cavaleiros do Zodíaco, em que a animação era dão dura e chapada que hoje dá até vergonha. Para compensar, tanto a dublagem quanto a trilha sonora são impecáveis. Vocês vão ficar cantarolando a ótima música da abertura durante uma semana. Sem contar as várias versões de Fly me to the moon para os créditos.
Enfim, Neon Genesis Evangelion é uma série fantástica que todo mundo deveria assistir, mas que é difícil e densa, o que requer uma maior maturidade e tal. Se você tem menos de 17 anos, nem perca seu tempo. Ela traz personagens fantásticos e uma nova visão para o Apocalipse altamente perturbadora e interessante.
Agora deixa eu falar do que mais é ruim, além da já mencionada pedância. Primeiramente, o fanservice. Ele é meio onda errada e fetichista.  Quando você explora visualmente personagens adultas, tudo bem, mas aqui ele se estende para a Asuka e para a Rei, que têm apenas 14 anos. Pois é. Elas não aparecem com uma nudez plena em nenhum momento, mas mesmo assim.
O Shinji é um ótimo personagem, mas muitas vezes ele é um saco. Parece que isso é um mau dos animes: o protagonista tem que ser chato. Ele não escapa à regra, mas você acaba dando um desconto por causa do personagem ser bem construído e tal.
E agora vem a parte mais tensa, que é, de certa forma, um soft spoiler: o final é uma merda.




Digo, os episódios 25 e 26 são tão ruins, absurdos, sem sentido, nada a ver, viagem de ácido e folia do boi louco que eles acabaram sendo limados da existência. Para consertar a cagada, o estúdio lançou dois filmes um ano depois, refazendo o final.
O primeiro filme é Death & Rebirth, completamente desnecessário, se você me perguntar, porque ele é dividido em duas partes: a primeira é um resumo da série e a segunda é a primeira parte do segundo filme: The End of Evangelion. Esse sim, você tem que assistir. Principalmente porque vai estar mergulhado em ódio depois de ver o final do seriado regular.
Em The End of Evangelion, temos um novo final para a série, começando imediatamente do ponto onde o episódio 24 parou. E amigo, que final foda. Olha, não é perfeito, é beeeem forçado e não faz tanto sentido assim, além de não escapar da pegada triste e pessimista do resto do seriado. Só que ele faz muito mais sentido do que o final original e é umas TRINTA VEZES melhor do que o final antigo.
Portanto, vocês têm duas opções: assistem a série inteira e depois vêem o filme ou assistem até o episódio 24 e vêem o filme. O filme também é mais perturbador. Por não passar na TV, eles puderam jogar a censura lá em cima. O filme é muito mais violento e triste do que o desenho normal. Sério, tem umas partes fodas. Mas a conclusão é épica. Talvez você não a entenda de primeira, mas é foda demás!
Um problema do filme, porém, é que o Shinji nele apresentado está muito diferente do que termina o episódio 24. Veja bem, ele tinha evoluído muito ao longo dos episódios, se tornado mais sociável e aceitando melhor sua responsabilidade. Daí ele aparece no filme como um personagem insuportável, com um comportamento que regrediu 100%. Outra coisa é o foco na Asuka. Ela é a menos perturbada do seriado, mas quando o estúdio viu o sucesso dela com os fãs, eles botaram o foco em cima dela e a fizeram mais frágil e mais depressiva, sofrendo mais com seus traumas. Não gostei, a do original parecia mais forte.
Outra coisa tensa é que agora, tantos anos depois, a série está sendo refeita. Pois é. Estão sendo feitos 4 filmes recontando o seriado. Dois já foram lançados: Evangelion 1.11 e Evangelion 2.22. O 3.33 e o 4.44 ainda não foram lançados. Porém, eles também estão refazendo a história. A primeira grande mudança que já rolou é o aparecimento de uma nova piloto, a Mari Makinami. A história que nós conhecemos vai ser recontada mais ou menos até o terceiro filme e o quarto vai ser 100% novo. A maior dúvida é se o final de The End of Evangelion vai ser desfeito ou se o quarto filme vai trazer uma continuação para o final mostrado no filme.
Pois é.
Mesmo com a série original meio que indo pro lixo, eu acho que vale a pena DEMAIS assisti-la, mesmo com seus defeitos. Daí quando esses 4 filmes saírem, a gente pode fazer igual Star Wars, e falar mal deles e falar bem da série clássica, sacou?
Bem gente, por hoje é só. Espero muito que vocês assistam essa animação fantástica. Vocês vão ficar impressionados e nunca mais vão ver o Apocalipse do mesmo jeito.
            Ah, e paquitas de Evangelion e intelectualóides de plantão, por favor, não encham meu saco.




4 comentários:

Sisaty disse...

melhor resenha de evangelion que eu já li ever lol

Questão disse...

sou fã de evangelion e vi aos 14 anos a serie na extinta locomotion auahuhauhau curti muito o final da serie original e por incrivel que pareça achei horrivel os filmes uahuahu

mas como sou fã d quadrinhos estou acostumado com essa abordagem,eu li quando moleque cavaleiro das trevas,batman ano um,watchmen,v de vingança,mas acho que você tem razão para o povo massa veio de hoje que ve animes não estão acostumados com isso é realmente dificil que curtam,meu anime favorito é cowboy bebop

você ja viu serial experimento lain? se acha o final de eva louco devia ver serial experiment lain,tambem tem uns animes desconhecidos como bublegun crisis tokyo 2040 que é muito bom

um abraço,posso discordar de algumas coisas que você falou mas curti a resenha

Zé Abrão disse...

Gostei muito do seu comentário Questão! Acho super válido. Gostaria que todos os que discordassem de mim fossem tão razoáveis como você. Estou assistindo Cowboy Bebop agora e estou adorando!

Pedrox disse...

Gostei mto da sua resenha do Eva, apenas discordo que não achei os dois últimos episódios tão ruins, gostei da filosofia apresentada a respeito das relações entre os seres humanos e o conceito de existência.